Grupo Café com Filosofia – Phipsi

Início » Artigos / Estudos » Agostinho e a Ética Cristã

Agostinho e a Ética Cristã

O livro as confissões de Santo Agostinho pode ser comparado a uma autobiografia, dada ao passo que ele se dispôs a confessar – narrar fatos e pensamentos. Um dos temas predominantes na obra é a questão da Ética. Agostinho mostra-se inicialmente seduzido pelo maniqueísmo.

Santo Agostinho se afasta do pensamento maniqueísta através do contato com o pensamento platônico e sua conversão ao cristianismo. Agostinho percebe que o verdadeiro caminho para a felicidade esta em amar a Deus e seguir os passos deixados por Jesus Cristo.

Para o teólogo cristão, é infeliz o homem que conhece as coisas, mas desconhece o pai criador das coisas, pois assim sendo ele na verdade nada conhece. Podemos perceber em Agostinho, que a Ética como ciência dos atos morais mostra-se ligada ao pensamento cristão.

O cristianismo reflete as condições necessárias para que as pessoas possam viver em consonância umas com as outras – em uma sociedade devota e feliz. Aliás, essa felicidade – primeiro principio da ética, pois aqui se fala na felicidade não do ser individual, mas no ser em comunidade, pois assim prega o cristianismo -, só pode ser alcançada se as virtudes dos homens não forem propensas aos pecados carnais, capitais, e qualquer tipo de vicitude que possa ser pecar contra Deus. Aqui, a ética cristã mostra-se como um fio condutor nas questões que possam ser pertinentes com relação ao que possa parecer ser erros humanos.

Agostinho mostra nas Confissões que a ética não esta separada apenas aos caminhos da felicidade, mas como parte da resolução do problema sobre a origem do mal – pois se Deus existe, é bom e criador de tudo que há no mundo, quem poderia ter criado o mal? Com o afastamento do pensamento maniqueísta, Agostinho propõe que o mal não pode ser outra coisa a não ser a privação do bem.

Assim podemos perceber que ao designar que o homem se afasta das verdades e da bondade divina para seguir caminhos que o levem a um bem próprio, ou seja, um bem não seja coletivo, que não vise a felicidade de todos, este esta se afastando do bem.

Ao se afastar do bem, eis que surge o mal. O homem esta propenso ao bem como esta propenso ao mal. A única via da felicidade segundo os princípios da ética cristã proposta por Santo Agostinho é a busca de Deus. O perdão pode ser alcançado por aqueles que o desejam e buscam, pois ele próprio em suas confissões deseja mostrar que Deus não exclui ninguém, mas ao contrario quer receber todos aqueles que assim desejarem, mas primeiramente deve-se querer.

Bibliografia de Pesquisa

AGOSTINHO. “Confissões” – São Paulo: ed. Nova Cultural, 1999 (Coleção Os Pensadores).

__________
Texto: Erisvaldo Correia
(Licenciando em Filosofia)
 CEUCLAR-SP

Anúncios

5 Comentários

  1. depois de ler o trecho so mi resta dizer que tudo tem fundamento em DEUS

  2. Pensamentos aleatórios disse:

    Essa materia foi de acordo com o que voce leu e falou sobre ele, ou pegou de algum lugar, mas mudou as palavras ?

    • webcorreia disse:

      Esse pequeno Texto foi apresentado como trabalho de aula na Faculdade (Após leitura prévia de passagens sobre a obra citada), e foi revisado pelo professor presente em sala de aula! Respondendo mais diretamente, foi o que li e entendi!
      Porquê?

  3. fabio disse:

    Ótimo para pesquisar.

  4. Lay disse:

    Muito bom me ajudou muito obrigada !

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Artigos por Mês

%d blogueiros gostam disto: